Novo presidente da ADI Brasil vê diários do interior com potencial para crescer

Eleito para a presidência da Associação de Diários do Interior do Brasil (ADI-BR) no biênio 2016/2017, o diretor da Tribuna de Cianorte (do noroeste do Paraná), Jedaias Pereira Belga, defende o fortalecimento e a ampliação das associações regionais como forma de facilitar a logística e, ainda, reduzir os custos de operação das editoras de jornais nas cidades interioranas do Brasil. Para ele, a lógica da cooperação e o uso correto das novas tecnologias podem dar aos veículos do Interior maior potencial para crescer a partir do cada vez maior interesse dos leitores pelas notícias locais e regionais.

“No Interior, é impossível pensar uma plataforma digital sem o respaldo e a credibilidade adquirida por meio de um trabalho sólido e coerente do veículo imprenso. Mas, também não podemos pensar um veículo impresso, sem uma plataforma digital. Os dois métodos precisam estar em sintonia, até porque, um depende do outro”, diz Jedaias Belga ao comentar os investimentos feitos pelos veículos em múltiplas plataformas.

Além disso, ao mesmo tempo em que ressalta a importância de cada diário em sua região de origem, ele lembra que, juntos, esses veículos somam audiências tão grande quanto aos dos jornais das capitais. Segundo ele, no Paraná, a soma da tiragem dos impressos regionais é a maior do Estado. “No entanto, minha maior defesa para a criação de novas ADIs está embasada na unificação do setor dentro de um trabalho cooperativo, como a compra de papel e demais insumos para a impressão do jornal. Medida que reduz despesas e fortifica parcerias em termos editorais, tornando mais impactante os fatos de interesse estadual e até mesmo regional”.

No comando da ADI-BR, Jedaias Belga substitui o catarinense Ámer Felix Ribeiro, diretor do Jornal da Manhã, de Criciúma, que passa a responder pela presidência do Conselho Fiscal. Ao lado de Belga, assume uma nova diretoria, com os seguintes vice-presidentes: Margareth Cedraz Freire (Folha do Estado da Bahia), Eládio Dios Vieira da Cunha, de Diários (Jornal do Povo/RS), Elias Carvalho Soares, de Novas Mídias (Aqui Notícias/ES), Adriano da Fonseca Kalil Escada, Gestão Executiva e Financeira (Central de Comunicação/SC) e Nery José Thomé, de Expansão (Tribuna do Interior/PR). Alberto Moreira Rosa Neto (Central de Comunicação/DF) foi nomeado diretor Executivo e Ricardo Mitugi Takiguti (Merconet/PR) para a Diretoria Regional. Atualmente, a ADI Brasil reúne 130 diários associados e parceiros de ADIs de onze estados.

Leia abaixo entrevista com o novo presidente da entidade:

O Brasil vive um duro período, com crises política e econômica. Como os jornais do interior vêm enfrentando esta situação?

Os jornais do interior seguem o mesmo mecanismo que a imprensa das capitais. As principais medidas adotadas estão na política de contenção de despesas. Desde cortes orçamentários, incluindo o quadro de colaboradores, até a redução no formato dos jornais, de standard para tabloide, por exemplo. A transferência de um formato para o outro pode gerar uma economia significativa nos gastos com impressão. E isto já tem acontecido no Paraná.


Os jornais do interior têm conseguido acompanhar, a exemplo do que ocorre com os principais jornais das capitais, a tendência de mais audiência em todas as plataformas, incluindo a impressa?

Sem dúvida. Todos os jornais, digo em nome dos veículos ligados à associação, estão há algum tempo investindo fortemente nas mais diversas mídias, principalmente nas plataformas digitais. Hoje, os recursos de acesso à informação são inúmeros, e nós, que atuamos no mercado da comunicação, precisamos estar tão conectados, ou mais, quanto o nosso público, afinal, a interatividade é a principal tendência do mercado. Em relação ao jornal imprenso, no interior, é impossível pensar uma plataforma digital sem o respaldo e a credibilidade adquirida por meio de um trabalho sólido e coerente do veículo imprenso. Mas, também não podemos pensar um veículo impresso, sem uma plataforma digital. Os dois métodos precisam estar em sintonia, até porque, um depende do outro.  


O senhor acha que os jornais locais fortaleceram, nos últimos anos, suas posições, mesmo com o acesso à informação de todo mundo via internet?

Se pensarmos em um jornal local, temos de pensar em um conteúdo local. O jornalismo regional é o que está por dentro da rotina do interior. É o veículo que fala com as comunidades, vive presente nos fatos que afetam o cotidiano das populações regionais. Independente do acesso imediato de informações mundiais, os jornais do interior têm a essência local e regional e são os únicos responsáveis por traduzir os acontecimentos mais próximos dessas populações.


Quais são as perspectivas para os jornais do interior nos próximos anos?

O cenário é preocupante em todas as esferas da sociedade brasileira. Temos uma inflação de dois dígitos e uma crise política que afeta diretamente a economia nacional. Os reflexos de toda esta turbulência são nitidamente sentidos no interior, e por isso, o momento é de cautela. Não devemos pensar em aumento de tiragem. Precisamos investir em metodologias de qualidade, com notícias eficazes. E para isto temos as plataformas digitais.


O senhor tem falado sobre o fortalecimento e a criação de novas ADIs regionais. Qual é a importância destas associações e como elas podem contribuir para o avanço dos jornais do interior?

No Paraná, por exemplo, a soma dos jornais regionais tem a maior tiragem do estado. Fator que torna os jornais do interior na maior cobertura jornalística à população paranaense. Com a saída de grandes jornais das pequenas e médias cidades, os jornais locais se fortaleceram, pois, ganharam espaço e vez. No entanto, minha maior defesa para a criação de novas ADIs está embasada na unificação do setor dentro de um trabalho cooperativo, como a compra de papel e demais insumos para a impressão do jornal. Medida que reduz despesas e fortifica parcerias em termos editorais, tornando mais impactante os fatos de interesse estadual e até mesmo regional.

 

capa_adi_ctba_01

Anúncios

Publicado 29 de fevereiro de 2016 por cnrbrasil em Sem categoria

%d blogueiros gostam disto: